A consciência do Eu que eu sou

A consciência do Eu que eu sou

Conteúdo de Joel Goldsmith

A consciência do Eu que eu sou

Ao tentarmos dominar a sensualidade, o desejo falso, a gula; ao fazer esforço para nos livrarmos dos traços humanos errôneos, descobrimos que eles se multiplicam muito e muito. Não tente, por um ato de vontade, eliminar esses errosnão se condene por qualquer traço falso ou negativo que você possa ter; não se atormente. Fique satisfeito ao vê-los se dissipar em sua percepção constante do Eu que eu sou. Não tente se livrar de qualidades negativas; não tente se livrar de qualidades ou traços humanos maus. Fique satisfeito ao vê-los se desfazer e desaparecer de sua própria inexistência, à medida que você reside sob a proteção do Altíssimo, à medida que você reside na consciência do Eu que eu sou.

Quanto mais você aprende a se identificar com o Eu que eu sou, em vez de se identificar com o corpo e com a experiência humana, mais qualidades espirituais se manifestarão em sua experiência. Se eu tivesse que tentar ser um ser humano muito bom, fracassaria. Mas, se tentar esquecer meu aspecto humano e residir no Eu que eu sou e perceber que o Eu é Deus, então, Ele Se manifestará no corpo, nos pensamentos e nas ações que se originarem.

Joel S. Goldsmith – “As Palavras do Mestre” – Ed. Pensamento

Observação

Por incrível que pareça, eu havia lido e relido durante alguns anos o segundo parágrafo acima, mas não conseguia compreender nem experimentar na prática. Porém, tudo ficou mais claro ao ouvir as palestras de Joel Goldsmith nos vídeos dublados, no canal do YouTube, denominado “O Caminho Infinito Dublado em Português“.

Autor do site.

Quando a Consciência do Eu que eu sou toma conta

Quando a Consciência toma conta, Ela elimina todos os traços ou desejos errôneos que possamos ter e o faz à Sua própria maneira e em Seu próprio tempo. Se nós próprios tentarmos eliminá-los, estaremos sendo apenas farisaicos. Isto não quer dizer que nada devemos fazer. Devemos fazer esforço para compreender o que é Consciência, mas esse esforço não envolve o uso de saco e cinza.

Joel S. Goldsmith – “Viver Agora” – Ed. Ibrasa

É possível ter os prazeres do mundo e se alegrar com eles, ou não tê-los e não lhes sentir a falta. O que passa a existir é uma alegria interior que não precisa de estímulos externos.

Joel S. Goldsmith – “O Caminho Infinito” – Ed. Martin Claret

Eu mesmo encontro prazer em muitas das coisas bonitas e desfrutáveis deste mundo, mas já não existe mais um apego exagerado por elas.

Joel S. Goldsmith – “A União Consciente com Deus” – Ed. Pensamento 

Não atribua poder as aparências

Quando odiamos as coisas externas, nós condenamos ou excomungamos a existência, e quando tememos, estamos acreditando em poderes externos. Assim, ignoramos e negligenciamos o nosso Ser interior, o único Poder real. Desse modo, não há como a pessoa não ser escrava dos desejos ou das coisas externas, mesmo que não queira e lute contra.

O despertar da nossa Consciência espiritual, não é algo que exija sacrifício e esforço próprio, porém apenas compreensão e prática diária de reflexão e meditação, a respeito da Verdade única interior. Portanto, isso não significa viver de maneira triste e desagradável, através de repressão e abstinência, pois “onde está o espírito de Cristo, aí há liberdade” (II Coríntios 3:17).

Assim, devemos lembrar que Jesus não foi abstêmio, como foi João Batista, conforme consta, não só nos Evangelhos considerados apócrifos, mas também nos Evangelhos considerados canônicos.

Logo, não somos nós como pessoas humanas, quem alcança algum equilíbrio, porém o despertar da nossa Consciência espiritual, já que isso é um dom de Deus, segundo o apóstolo Paulo (Efésios 2:8-10).

Autor do site.

Veja esta questão através de outro ângulo

… a própria coisa que tememos e de que estamos tentando fugir se apega a nós, mas se não pusermos amor, ódio ou medo na coisa, estaremos livres dela. Esta é a lei de causa e efeito.

Só se experimenta o mal porque existe uma crença universal em sua realidade e em seu poder. Na proporção em que você conseguir aceitar Deus como Onipotência, o mal perde seu poder aparente, seu poder em crença.

… podemos aceitar o mal em nossa mente e fazer dele um poder em nossa vida, não que ele tenha poder por si só, mas porque permitimos que ele tenha poder pela nossa aceitação dele.

O amor que estou pedindo a vocês que abandonem é aquele que cria dependência ou esperança em relação a alguma pessoa. Em outras palavras, precisamos voltar para dentro de nós.

Joel S. Goldsmith – “Viver Agora” – Ed. Ibrasa

Sobre o Autor, Joel S. Goldsmith

Joel Goldsmith é considerado o mais respeitado místico ocidental do século XX. Fundou, nos Estados Unidos, um movimento espiritual denominado “O Caminho Infinito”, título também do único livro de sua autoria, sendo as demais obras transcrições de suas apalestras e cartas. Sua mensagem expandiu-se para vários países da Europa e América Latina.

No Brasil, seus livros são lidos e estudados por grande número de pessoas.

Como curador espiritual, Goldsmith percorreu, a pedido de seus pacientes, o mundo inteiro. Nunca aceitava pagamento pelas curas que realizava.

Sua mensagem central é: “Homem, conscientiza a presença infinita de Deus em ti mesmo”.

Ele faleceu em 17 de junho de 1964.

 

***

The Infinite Way™, é a marca registrada e detém os direitos do material original de Joel S. Goldsmith. Este site não tem nenhuma relação com a marca. O objetivo é simplesmente divulgar um pouco de sua profunda mensagem.

Palestra de Joel Golsmith dublada em português